segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Creepypasta dos Games! - Polybius!



- Antes de começar, gostaria de dizer que o artigo foi retirado do blog SGamers. Porém, o blog não está mais em atividade. Pois sua ultima postagem foi em DEZEMBRO do ano passado (2013), ou ano retrasado, caso esteja vendo este post em 2015. Hahahaha!



A lenda de hoje é sobre o Polybius, um jogo que saiu nos fliperamas e ficou apenas no Arcades. O jogo era diferente da maioria onde você controla uma nave e atira nos inimigos, aqui você atira as pedras na nave, meio a la Tempest, mas o jogo era bem colorido e piscava bastante, com isso tinha muita gente que sofria de ataques de epilepsia, até que um garoto cometeu suicídio, as máquinas foram recolhidas, mas, é ae que esta o grande mistério, será que tudo foi feito de propósito?

Polybius

O Arcade Polybius veio e sumiu muito rápidamente, mas as lendas permaneceram, não há sequer imagens do Gameplay, apenas recriações de acordo com as histórias de jogadores e donos de fliperamas, sabe-se também que foi criado pela alemã Sinneslöschen (Em alemão que dizer algo como “inibidor de sensorial”). Os donos diziam que toda semana homens de preto apareciam, acessavam uma tela de debug (foto abaixo) e depois saiam sem falar muita coisa!


Pela foto já da pra ter ideia do que eles programavam certo? Pois bem, os jogadores sentiam esses efeitos, tontura, epilepsia, terror noturno, pesadelos e etc, tudo de acordo com os homens de preto que programavam as máquinas.


Alguns jogadores afirmam que o jogo viciava muito a ponto de virar necessidade, alguns diziam que tinha um padrão, por exemplo, na segunda você sente insônia e tontura, na terça é pesadelos, e por ai vai, eles jogavam devido a necessidade e puro vício: "Não importava os pesadelos, eles tinham que jogar Polybius" esse é um dos relatos de quem conta a lenda. Há aqueles que afirmam também, que depois de algumas partidas de Polybius e de sentirem os efeitos, perderam completamente a vontade de jogar enquanto outros viraram ativistas anti vídeo-games! Dizem que rola muitas mensagens subliminares entre as piscadas constantes no jogo, por isso alguns tinham mudanças drásticas de comportamento enquanto outros acabavam em suicídio, há quem conte que o suicídio é devido a perturbação dos pesadelos e dos efeitos, e como o jogo viciava muito, o suicídio era a melhor forma de fuga...



Alguns acreditam que os homens de preto eram do governo americano e faziam a hipnose através do game para controlar as pessoas no período da Guerra Fria! O jogo chegou a fazer uma aparição nos Simpsons no episódio: "Por Favor Homer, Não Martele" onde Bart esta numa sala cheio de Arcades antigos, um deles é Polybius, com apenas um botão e uma frase alegando que pertence ao governo americano.

O Legado 

Há muitos por ae que dizem ter a ROM original do jogo, mas se negam a compartilhar, pois seus efeitos são terríveis e não querem afetar mais pessoas! O jogo ficou famoso quando a GamePró Americana fez uma matéria sobre mistérios, e o nosso joguinho macabro ganhou muita atenção da geral!


Alguns fãs recriaram o jogo de acordo com lendas, não é recomendado para quem tem problemas de epilepsia. 

Aqui nesse site: http://www.sinnesloschen.com/1.php tem uma possível rom do jogo para quem quiser testar, se tivermos algum/a corajoso/a na área, ta ae, mas reparem no nome do site, coincidência??


Essa lenda me deixa com uma pulga atrás da orelha, tirando a parte dos homens de preto, eu acho que esse jogo realmente existiu, mas por causa dos problemas de epilepsia foi retirado, mas a lenda ficou, igual o caso do episódio do Porygon de Pokemon e Candle Cove! Um dia eu posto sobre isso! Agora, se eu jogaria o jogo sabendo dessa história? Talvez!

Pra fechar, esse é um vídeo recente onde um sujeito acha uma máquina intacta de Polybius, vejam por vocês mesmo:


E aí, o que achou? Será que o Polybius existiu mesmo ou trata-se apenas de uma lenda? Discutam nos comentários! :D


/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Então, finalizaremos por aqui a Creepypasta! Espero que tenha gostado, avalie e por favor, siga o blog.
Keep Creeping!
Revisão de Texto: Miller1166 (@Miller1166).

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Corpo Seco: A Rejeição da Alma.

Antes havia falado sobre a origem do corpo seco e dentro disso várias histórias foram criadas e contada sejam elas reais ou não todas elas são bem interessantes por tratar de algo que tem sempre um fundo de realidade.  

Vamos a história.

 Á ultima casa da rua escondia um mistério, era muito estranha e depois que o pai e a mãe do homem que ainda vivia lá tinham morrido tudo tinha se transformado em um lugar sombrio, as plantas já não tinham vidas, pareciam secas, sem folhas, pássaros e outros animais não circulavam por perto dela.
As noites eram longas, os gritos de agonia deixavam todos na vizinhança acordados, ninguém se arriscava a ir lá saber o que estava acontecendo, sabiam que aquele homem era maldoso, era o responsável pela morte da mãe e do pai, tinha causado desgosto e os maltratou até a morte.
Em uma noite fria e chuvosa os gritos cessaram não se ouvia nada, foi à noite mais tranquila dos últimos anos. No dia seguinte os vizinhos desconfiaram, a movimentação na casa parou, mas ninguém tinha coragem de entrar e descobrir o que tinha acontecido.
O silêncio foi tomando conta, não se ouvia qualquer barulho que chamasse atenção, os vizinhos não tinham mais desculpa, tinham que saber o que aconteceu naquela velha casa sombria. José Alves e Luiz Gomez decidiram entrar para verificar e dar uma reposta aos vizinhos que já estavam aflitos com a situação.
Depois de vasculharem toda casa encontram o homem morto, pelo estado do corpo parecia que tinha sofrido muito, a posição do corpo era de quem tinha agoniada por muito tempo com dores ou um demônio se empoçando de sua alma.

Apesar de sua história de maldade os vizinhos em consideração aos seus pais foram enterrar o corpo, uma discussão foi feita e a população da pequena cidade não queria aquele defunto enterrado no cemitério aonde seus familiares já se encontravam, a única solução seria enterrá-lo debaixo da grande árvore próximo a sua casa, a qual já se encontrava totalmente seca, sua imagem era atemorizante, seus galhos secos em noites de lua cheia formavam figuras que assustava todo mundo que passava por perto por se tratar de um caminho que dava acesso à pequena rua da cidade.
Em um fim de tarde isso foi feito o enterro, poucas pessoas acompanharam, depois da ultima pá de terra jogada em sua cova embaixo da grande árvore seca um raio cortou o céu como se pronunciasse um temporal, mas as nuvens não estavam carregadas.
Na mesma noite alguns moradores ficaram obsevando se alguma coisa poderia acontecer, pois os raios ficaram frequentes e isso deixou muitos desconfiados, pois seria uma coincidência depois de um dia tranquilo o tempo mudar de uma hora para outra, mas nada aconteceu de anormal.
Depois de vinte e um dias um filete pequeno de névoa formava-se em um espectro enquanto saia da cova ganhando altura até os galhos secos da velha árvore, depois ganhou o céu e sumiu entre as nuvens escuras, o mesmo vento que a levou a trouxe de volta, o céu tinha rejeitado aquela pobre alma, sua maldade na terra tinha sido tão grande que foi recusado.
A terra em volta da grande árvore seca se estremeceu, o céu ganhou uma cor tenebrosa, uma leve chuva começou a cair seguida de raios e trovões assustadores.
O espectro agora viajava para as profundezas do inferno percorrendo um caminho longo, não demorou muito e novamente a terra se estremeceu em volta da velha árvore seca.
O inferno também rejeitou aquela alma, o diabo não queria concorrente em seu território sabendo das maldades do homem que tinha causado a morte do pai e da mãe.
A terra em volta da grande árvore seca novamente se estremeceu, agora com mais intensidade, numa reação estranha começou a se revirar, como se tentasse expulsar algo de sua profundidade. Não demorou muito um corpo começou a sair até ser expulso em sua totalidade.
Numa reação espontânea, todo tempo mudou, o céu escureceu e ficou carregado, os raios intermitentes ganharam o céu e riscavam a escuridão clareando alguns pontos. Em cada raio a grande árvore ganhava uma forma assustadora revelada pela luz, a terra em sua volta parecia viva.
O tempo de repente parou tudo em volta ficou em silêncio, as nuvens carregadas pararam no céu, a chuva cessou os raios também cessaram. Em meio à terra toda remexida um corpo começa a se erguer até ficar de pé e em um clamor penoso falou:
- Por que estou vivo, olha meu corpo todo em decomposição, todo seco. – Fui rejeitado no céu, o inferno também me rejeitou e até a terra não quis me decompor, por que isso estar acontecendo comigo. – Diz o Corpo Seco em um tom de voz penoso.
- Tua alma estar condenada, tua maldade foi muito grande, mataste teus pais, isso é uma coisa que nem o diabo fez como poderia receber uma alma tão má. – Diz uma voz que desce do céu.
- E agora como vai ser a terra também rejeitou meu corpo, minha carne não apodreceu, ficou seco, o que vou fazer. – Diz Corpo Seco tentando uma resposta.
- Você vagará pela terra e pagará pelos seus pecados, a partir desse momento você não pertencerá a nenhum de nós, os quatro elementos não serão responsáveis por sua decomposição e apenas outro ser que renasceu após a morte poderá te destruir. – Diz a voz vinda do céu explicando sua sina como zumbi seco vagante na terra.
Em uma reação de raiva e ódio Corpo Seco se ajoelha embaixo da grande árvore seca e emite um grito que ecoa por todos os cantos anunciando sua ira.
A cena é arrepiante, uma noite fria, o céu carregado, raios coindo do firmamento cortando a escuridão enquanto suas luzes formam figuras assombrosas em contraste com os galhos da velha árvore que parece ter vida.


Em um aspecto tenebroso Corpo Seco se aproxima da velha árvore e a circula marcando lugar o qual aguardará suas vítimas se aproximar ou passaram pelo caminho para sugar seu sangue e os transformarem em corpos secos com a sua semelhança e maldade.

Desconhecendo os perigos da noite três jovens com uma garrafa de bebida passando de um para o outro enquanto dar um golo e em suas mãos um cigarro de maconha que tragado ilumina a noite revelando sua localização se aproxima da grande árvore seca.
O mais drogado observa a grande árvore e fala:
- O que essa velha árvore estar fazendo aqui, não tem folha, não dar frutos, só tem esses galhos secos, não serve para nada, vamos tocar fogo em seu tronco para vê-la cair. – Diz sorrindo.
- É mesmo, vamos tocar fogo nela, não serve pra nada. – Diz o outro drogado sorrindo com euforia.
- Vamos juntar uns gravetos pra o fogo pegar melhor. – Diz o outro empolgado com a ideia.
Quando um dos drogados começa a pegar os gravetos sente um peso enorme em suas costas, como se começasse a carregar outro corpo. Nesse instante um fedor de carne podre começa a tomar conto do lugar, Corpo Seco sem piedade consome seu sangue deixando-o a sua semelhança.
Isso acontece um por um sem que tivessem qualquer reação, naquele momento uma legião começaria a ser formado por zumbis de corpos secos liderados pelo a pior alma conhecida até aquele momento, o assassino algoz de seus pais, agora denominado Corpo Seco.




A Lenda do Corpo Seco.

Olá Pessoal, Venho por mais uma vez aqui trazer uma lenda muito interessante mais conhecida como corpo seco. Abaixo irei falar de toda a sua origem. Espero que gostem.

(Abaixo Uma ilustração feita por um artista do interior do nordeste)

 Corpo-Seco: uma assombração que ataca nas estradas

Origem e o que é 

O corpo-seco é um personagem do folclore brasileiro comum no interior dos estados de São Paulo, Minas Gerais e região Centro-Oeste. De acordo com a lenda, o corpo-seco foi um homem muito malvado que vivia prejudicando as pessoas. Era tão ruim que maltratava e batia na própria mãe.

A lenda do corpo-seco 

Após sua morte, de acordo com a lenda, ele foi rejeitado por Deus e até pelo diabo. Até mesmo a terra, onde havia sido enterrado, o expulsou. Com o corpo em estado de decomposição teve que sair de seu túmulo. Começou a viver como alma penada, grudando nos troncos das árvores, que secavam quase que imediatamente.
Ele então passou a viver assombrando as pessoas nas estradas. De acordo com a lenda, quando uma pessoa passa na estrada o corpo-seco gruda em seu corpo e começa a sugar o sangue. A vítima da assombração pode morrer caso ninguém passe na estrada para salvá-la. 


O medo do corpo-seco

Muitas pessoas que acreditam em lendas e são supersticiosas tem medo de caminhar em estradas desertas do interior, pois acham que podem ser atacadas por esta assombração. Muitos pais e avós, moradores destas regiões, também contam esta lenda para as crianças para provocar medo e evitar que elas saiam sozinhas por regiões desconhecidas.






Avó Um Anjo em minha vida.

Olá! Vou contar a história de minha querida avó falecida há quatro anos... (Na época em que postei a história no site)
Bom, minha avó sempre foi uma católica ativa, frequentava missas, rezava o terço, era ministra da palavra e tinha uma sabedoria que colocava no bolso qualquer padre que eu conheço hoje em dia.

Certo dia eu havia aprontado uma com minha mãe muito feia, e claro, ia levar aquela surra. Mas por incrível que pareça, minha avó apareceu na minha casa um dia depois da surra e deu a maior bronca em minha mãe por ela ter me batido. Ela disse que havia sonhado e sabia até qual era o motivo da surra. Isso me deixou a par da ligação que eu tinha com ela, pois estava mais com ela que com a minha mãe.

Até que chegou o dia em que ela morreu... Não fiquei sabendo. Para mim foi um dia normal (fiquei sabendo logo após o retorno da escola). Mas enquanto eu voltava para a escola o inesperado aconteceu:
Voltava de bicicleta em alta velocidade com fones de ouvido e música bem alta, olhando para o nada, porque fui sempre desligado, quando derrepente fui tentar atravessar a rua pensando que ia poder passar do carro já que estava praticamente em cima, quando do nada o guidom da bicicleta como quando alguém coloca as mãos virou abruptamente e me fez ir para a calçada. Caí, mas me machuquei pouco.


Quando cheguei em casa e passei em frente a casa da minha avó vi o que havia ocorrido (minha avó por parte de pai e não de mãe)... Ela havia falecido.
Chorei muito... E dois dias depois do enterro dela ela me apareceu em sonho e eu perguntei a ela, muito chateado, por que ela não se despediu de mim antes de partir? E ela disse que a última coisa que fez foi salvar.

Essa história aconteceu comigo há tempos atrás e é nesses momentos que meu sadismo foge um pouco a rigidez. 



A Amante.

Este relato tem indícios de fatos reais. ™
"Uma alma atormentada pode clamar por justiça, mesmo já estando em outra dimensão!"

A família da minha mãe tem como país de origem, a Inglaterra, e tem uma história bem interessante de um dos nossos familiares antepassados, uma empregada de um Lorde chamado Berckley.

A história começa em 1856. Lorde Breckly era muito rico e tinha muitas posses, incluindo uma casa em Londres, onde ele ficava a maior parte do tempo. Lorde Breckly tinha um temperamento muito difícil e tratava todo mundo da pior maneira possível, desde empregados, parentes e até outros Lordes e Ladys que iam  visitar a sua casa. E isso incluía a sua amante também.

A sua amante era uma linda garota de descendência escocesa, muito mais nova do que o seu filho mais novo. Segundo os rumores ela era a filha bastarda de um nobre com uma garota de programa. O nome dela era Ailee.



Ailee era a amante de Lorde Breckly já fazia 6 anos. Em uma noite todos na casa ouviram um grito desesperador. Lorde Breckly e Ailee estavam tendo uma enorme discussão e a minha parenta, que era uma das empregadas, ficou preocupada com a segurança de Ailee.
Todos os empregados subiram correndo para ver o que tinha acontecido, mas eles pararam na escada quando viram Lorde Breckly. Ele estava agindo muito estranhamente e não deixou nenhum dos empregados subirem a escada.
Ele falou que Ailee tinha batido o pé e gritou. Os empregados voltaram para os seus aposentos, não acreditando na história de Lorde Breckly, mas tinham aprendido a ficarem quietos se quisessem ficar com os seus empregos.

Na manhã seguinte, Ailee não estava na cozinha, onde sempre tomava o café da manhã.
Os empregados acharam isso estranho e estavam suspeitando de que Lorde Breckly tinha finalmente ido longe demais, que havia matado sua amante e escondido seu corpo durante a noite.
Por semanas não havia sinal de Ailee, mas a vida na casa seguia o seu rumo, até que barulhos e gemidos começaram a acontecer.
Toda noite por volta das 22:00' (mesmo horário em que haviam ouvido o grito de Ailee naquela noite atribulada), eles ouviam terríveis gemidos e barulhos estranhos. A voz, claramente era de uma mulher que gritava, chorava e implorava por piedade, mas para ela claramente não havia nenhuma.
Isso ocorreu por vários meses, até que em que um determinado dia os empregados resolveram ver se descobriam a causa de todos aqueles barulhos terríveis.
Uma noite quando os gemidos começaram, os empregados juntaram a coragem que tinham e seguiram na direção do som. O som estava vindo do quarto do Lorde, e eles podiam ouvir uma horrível lamentação lá dentro.
Lorde Breckly, sem conseguir agüentar mais as lamentações estava na sua casa em Yorkshire.

Quando eles abriram a porta eles quase desmaiaram de medo, pois Ailee estava de pé no meio do quarto.
Os seus olhos estavam apáticos e sem vida e os seus braços estavam esticados como se estivesse pedindo ajuda.
A minha parenta chegou perto dela e tentou pegar a sua mão.

Por um momento Ailee estava sólida, mas então ela se virou para o closet e desapareceu.
Depois de se recuperarem do choque, os empregados entraram no closet e olharam lá dentro, e olharam do lado de fora perto da porta do closet, mas não acharam o que o fantasma de Ailee queria que eles encontrassem.
Quando Lorde Breckly voltou, os empregados falaram para ele o que tinham visto.
O Lorde ficou branco feito fantasma e no dia seguinte despediu todo mundo e colocou a casa à venda.

A visita noturna de Ailee continuou pelos anos seguintes. Toda noite por volta das 22:00' ela começava a gemer até alguém encontrá-la, então ela apontava para o closet e em seguida desaparecia.
Ninguém sabe o que aconteceu com Ailee, mas alguns dizem que Lorde Breckly a matou e colocou o seu corpo em um compartimento secreto no closet, sendo que ficou apavorado quando o seu segredo quase foi descoberto.
Outras pessoas elaboraram outras teorias, mas a verdade real nunca foi descoberta, permanecendo em segredo até os dias de hoje.


''Quando uma pessoa é morta tomada de muito ódio... Ali nasce uma maldição, e essa maldição se consome no lugar da morte.''




Fonte : The Twilight Zone Histories.






sexta-feira, 24 de outubro de 2014

A Lenda de Guedes.

Olá Pessoal, me chamo Luiz Paulo e sou postador do creepypasta puro faz um bom tempo, sempre fui fascinado por histórias de lendas urbanas e antigas principalmente as que envolvem florestas e bosques. Como postador aqui irei sempre tentar colocar lendas urbanas contadas por pessoas antigas de minha terra e demais lugares. Então, hoje irei mostrar pra vocês um conto que particularmente chamou muito a minha atenção. Vamos lá. 

Uma curiosa lenda que envolve a cidade de Cariré - CE, a 265 km de Fortaleza, fala de uma mulher que havia se perdido na mata durante dias, sem conseguir encontrar o caminho de volta acabou por falecer de fome e sede e ironicamente a apenas 200 metros de um açude.
Pescadores relatam que quando vão pescar no açude, pode-se ouvir os gritos de socorro de uma mulher em meio a mata, outras pessoas em respeito a finada Guedes, construíram uma cruz no local onde ela foi encontrada morta. Algumas pessoas deixam lá pratos de comida ou garrafas com água e pedem pequenos milagres em troca, já levam velas e oram para que Guedes encontre a paz eterna.
Quando soube dessa história, fui visitar o local, e afirmo que realmente é um lugar de difícil acesso. O caminho é penoso e sem falar das mariposas que ficam em galhos baixos. Não pude comprovar se tudo que a população local relatou era real, porém cada lenda sempre guarda um fundo de verdade.

 Ao fundo, a cruz mostra o local onde Guedes morreu. Garrafas com água ainda são colocadas ao pé da cruz.


Créditos : Sobrenatural.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

A Mudança de Cores.

Todo mundo sabe que as cores são o resultado do reflexo da luz, e que tudo o que vemos é representado por estas poucas cores presentes em um espectro. No entanto, a maioria das pessoas não estão cientes de que sob certas condições, o nosso mundo não se limita apenas nisso. Quais são essas condições, bem, não vou as revelar para a segurança do leitor. Apesar disso, posso dizer que há vários lugares na terra que são afetados por uma certa 'mudança das cores'. Por exemplo, as manchas do sol.

Esses lugares geralmente aparecem comuns, mas são afetados por um determinado ciclo, durante o qual eles vão ficar brevemente tão escuros quanto as profundezas do vácuo do espaço, conhecido como 'Cor Impossível'. Neste período, o lugar muda completamente, em conteúdo e forma, sendo habitado por seres estranhos vindos de dimensões que levariam insanidade para possíveis testemunhas. No entanto, este não é o elemento mais angustiante presente aqui.

Após a curta interjeição entre o espectro normal e este outro nicho impossível escondido da realidade, os seres infelizes que conseguirem entrar são submetidos a um destino terrível. Uma vez que este curto período de tempo chegar, os presentes são incapazes de voltar. Alguns chamam isso de "abismo". De acordo com um certo folclore indeterminado, aqueles deixados para trás perdem as cores visíveis no nosso mundo e se tornam como espectadores para toda a eternidade.

Apenas para assistir o partir de seu último fio de esperança.

                 ////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Então, finalizaremos por aqui o post! Esperamos que tenha gostado, avalie e por favor, siga o blog!
Keep Creeping!
Twitter: @paulinhodantas4
Siga também: @Miller1116
Abçs!
                                           

domingo, 12 de outubro de 2014

Aviso: Frequência de Postagens, como será!

A frequência de postagens será assim: todo sábado, e aleatoriamente em alguns outros dias, o Miller (@Miller1116) postará no blog, geralmente dois (2) posts por semana.

No meu caso, Paulo Guimarães (@paulinhodantas4), postará de vez em quando na semana e sábado, geralmente uns três (3) ou quatro (4) posts por semana.

Enfim, este será o calendário. E nós também adicionaremos alguns Widgets, para a melhor experiência do usuário durante sua viagem no mundo do terror! C:

Obrigado, e uma boa noite a todos.

Keep creeping!

@paulinhodantas4
@Miller1116
Follow us! 

sábado, 11 de outubro de 2014

A Ponte de Overtoun.

Antes de ler, sigam-me no twitter! @paulinhodantas4

Sigam o Miller também @Miller1116

Keep Creeping! :)

=======================================
A casa Overtoun é uma casa de campo do século 19 e está localizada no estado de West Dunbartonshire, Escócia. Fica em uma colina virada para o Rio Clyde, 2 Km ao norte da vila de Milton e 3 Km ao leste da cidade de Dumbarton. A casa foi construída por volta de 1860, e foi dada de presente para o povo de Dumbarton em 1938. Subsequentemente foi uma maternidade, e agora abriga um centro cristão.
Overtoun-bridge-b4.jpg
A ponte de Overtoun, uma ponte arqueada sobre o Burn Overtoun, ganhou atenção da mídia por causa do número elevado de cães que supostamente saltavam dela para a morte. Agora, graças as histórias postadas na internet, amantes de cães do mundo inteiro estão se perguntando: Teriam os cães vontade própria à cometer suicídio nessa ponte em particular, e caso sim, por quê?

Em uma tentativa de resolver o problema que estava deixando muitos donos de cachorros que moravam por ali perto aflitos, eles pararam de caminhar com seus animais pela ponte condenada.

Há muito tempo, rumores tem se espalhado de que a ponte e a casa de Overtoun são assombradas. Em 1994, o homem que morava lá, Kevin Moy, atirou seu filho (ainda bebê) para a morte da ponte, afirmando que achava que o filho era o anti-Cristo. Logo depois ele tentou acabar com a própria vida com uma tentativa frustrada de se suicidar pela mesma ponte.

Donna Cooper diz: "Há rumores de que ele estava drogado, mas insistiu que o lugar era assombrado e que parece ter um estranho efeito sobre pessoas e cães."

Na mitologia celta, Overtoun é conhecido como "O lugar fino" - uma área em que o céu e a terra são reconhecidos por estarem perto.

Certamente, cães demonstraram ser mais sensíveis ao sobrenatural do que humanos. Seriam esses animais "assustados" por alguma força sobrenatural que emana da ponte e, deliberadamente fazem-nos pular da ponte para a morte?

Mary Armour, Medium, levou seu Labrador para uma caminhada na ponte para testar a teoria. Entretanto, ela não diz não ter sentido nada diferente.

"Animais são hipersensitivos ao mundo espiritual, mas eu não senti nenhuma energia estranha ou diferente."

De fato, Mary disse ter sentido uma sensação de "pura calma e serenidade" mas admite que seu cão puxou a coleira em direção a extremidade direita da estrutura da ponte enquanto passavam por lá.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Creepypasta dos Fãs: Cynthia, a Bruxa.

Cynthia, a Bruxa

Meu nome é Isabella eu estudava em um colégio interno só para freiras, tinha 15 anos minha vida era normal até uma noite do dia 23 no mês de junho de 2002.

Eu estava cansada pronta para dormir e o toque de recolher já tinha sido tocado mas assim que eu deitei na minha cama me vi que faltava alguma coisa no meu material meu caderno havia sumido. Devia ter esperado até o dia seguinte para pegar meu caderno mas não fiz isso. Levantei da cama e fui de fininho pra ninguém me ver até os achados e perdidos que ficava na entrada da escola, estava todo vazio. Entrei nos achados e perdidos e peguei meu caderno. Eu estava prestes a voltar para meu quarto quando ouvi uma batida na porta.

Não sabia quem poderia estar tentando entrar num colégio interno essa hora da manhã, devia ter ficado quieta e voltado para meu quarto, mas eu abri a porta. Era uma menininha de 10 anos pele muito pálida, cabelo loiro, olhos verdes, usava um vestido branco, seu vestido estava um pouco queimado e com manchas de sangue e tinha uma cara muito triste quase chorando.

-Meu deus preciso te levar á um medico urgente-perguntei com uma voz doce e delicada.

-Não precisa moça, eu estou com muito sono só quero um lugar para descansar.

-Tudo bem entre por favor.

Não podia recusar por mais que seja macabro uma menina de 10 anos pedindo um lugar para dormir no meio da noite, não podia dizer não até porque é o que sempre dizem aqui nunca podemos deixar de ajudar ninguém, sei que deveria ter procurado um medico mas o hospital mais próximo ficava a 17 km de distancia, e se eu acordasse a enfermeira do colégio eu estaria ferrada então decidi apenas dar abrigo pra ela amanhã eu levo ela para a diretora. Eu estava quase chegando no meu quarto quando pensei em perguntar o nome dela. Eu já ia abrindo a boca quando um péssimo pressentimento me ocorreu, alguma coisa me dizia para não perguntar o nome dela. Chegamos no meu quarto e eu a deixei dormir em minha cama, eu peguei um lençol e um travesseiro e dormi no chão.

Acordei três horas da manhã me levantei a garota não estava mais na cama e eu podia ouvir uma musica de ninar baixinho nos meus ouvidos. Entrei no corredor e caminhei por ele seguindo a musica, nunca tinha ouvido essa música na minha vida estava toda em latim. Cheguei até o fim do corredor a menina estava olhando pela janela, usava um vestido todo preto e carregava uma foice cheia de sangue nas mãos, e no chão o mais horrível de tudo cabeças muitas cabeças de padres, bispos, freiras, cardeais e até de papas, todas estavam sem olhos e sem linguás. Eu continuei andando até ela eu queria correr mas meus pés não me obedeciam eu fui chegando mais perto até ter só um metro de distancia entre nós ela se virou, seus olhos que eram antes verdes ficaram totalmente brancos e o rosto estava cheio de sangue, ela soltou um grito e eu acordei pulando, eu tremia de medo eu estava gelada. Eu me levantei e encima da cama havia um bilhete que dizia “obrigado” envolta da palavra estava cheio de corações cor-de-rosa. Senti-me culpada por ter um sonho como aquele de uma menina tão fofa.

O dia foi muito estranho toda hora eu via aquela menina em quase todo canto onde eu olhava e ela estava como no sonho vestido preto, segurando uma foice, olhos sem íris e sangue pelo rosto.

Na noite seguinte eu não conseguia dormir de tanto medo mas depois de uma tempo fiquei cansada e dormi.

Tive um pesadelo pior do que o de ontem...

Eu estava nadando em um mar de sangue havia muitas cabeças flutuando no mar as mesmas de noite passada. Eu continuei nadando até chegar a terra firme eu andei pela floresta até chegar a uma vila medieval, ela estava vazia, entrei no castelo, todos estavam la nenhum deles tinham iris nos olhos eram as mesmas cabeças que eu encontrei no mar de sangue. Todos eles gritavam em um único som “matem a bruxa! matem a bruxa! matem a bruxa!” quando olhei pra minha mão percebi que segurava uma foice a mesma foice que a garota segurava.

-Eu não sou bruxa, eu tenho nome, me chamo Isabella!-essas palavras saíram da minha boca contra minha vontade.

De repente minha roupa começou a pegar fogo, mesmo sendo um sonho eu sentia a dor de estar sendo queimada. Antes de eu morrer eu vi aquela garota me olhando acima de mim enquanto eu me debatia no chão.

Acordei me debatendo, meus braços e pernas estavam meio queimados e doloridos mas dava pra ter um dia normal. Durante todo o dia eu não via a menina, mas eu ouvia as vozes gritando “matem a bruxa!”, eu as ignorei o dia inteiro o que não era fácil.

A noite as vozes continuaram gritando e eu não conseguia dormir, alguma coisa me dizia que se eu fosse até a entrada do colégio as vozes me deixariam em paz, eu levantei e fui até a porta de entrada, alguém começou a bater nela, eu abri, era a mesma menina ela estava como no primeiro dia.

- Olá menininha qual o seu nome?

Jornal do dia 26/7/2002: A cabeça de uma aluna de um colégio interno de freiras foi encontrada pregada na parede de seu quarto ela estava sem olhos e sem linguá, o corpo foi todo queimado, em cima da cabeça estava escrito com sangue da vítima “Cynthia”, a única pista foi que a arma usada no crime foi uma foice.

Autor: Pedro Yuan (pedroyuan@hotmail.com)
Sigam-me no twitter! @paulinhodantas4

O Abismo

Hoje eu estive no abismo.

Na verdade, eu ainda estou lá.

Mas somente dentro da escuridão profunda do abismo é que você pode ver os filhos do sol.

Como eles são diferentes de mim!

Percebo o quão egoísta eu fui ao tentar questioná-los a ser como eu.

Como meus olhos doíam quando eu estava com eles.

É só aqui no abismo que eu percebo quão lindo é o rosto radiante de uma mulher.

Mas a escuridão me acalenta.

No frio das trevas eu me sinto bem.

Talvez eu não consiga me erguer novamente e sair daqui.

Porque a luz te ilumina, mas a escuridão te consome.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

1999

"O ano é 1999"

Essa frase me lembra memórias de minha turma de jardim de infância quando eu tinha cinco anos de idade, onde se lia a data na lousa a cada dia. O ano de 1999 existe como uma mancha na minha mente, no entanto, como uma mancha que não sai, não importa o quanto eu tente esquecer. 1999 marcou o ano que eu perdi meu primeiro dente, a minha primeira vez em um avião, e, infelizmente, a perda precoce de minha inocência infantil.

Tudo começou com essa nova (ou velha) TV. Naquela época Pokémon era a última moda na escola. Cartões de Pokémon, jogos, etiquetas, e mais popular, o programa de TV. Então é claro que toda vez que eu chegava da escola, gostaria de ficar colado à TV até Pokémon aparecer. O único problema era que meu pai assistia ao noticiário às 5:30, e episódios de Pokémon eram repetidos, o que significava que eu tinha que perder um episódio todos os dias, algo que eu gemia só de pensar. Meu pai cansou de me ouvir reclamando todos os dias, que deve ser por isso que ele comprou outra TV.

Meu pai colocou a TV que comprou em meu quarto, infelizmente, era uma velha TV pequena a válvula. Ela também só tinha 20 canais disponíveis; não era incluindo o canal do Pokémon. Lembro-me de que eu não me importava, porém, eu estava emocionado com minha própria TV no quarto. Depois de navegar pelos canais, cheguei à conclusão de que apenas o canal 2 (TVO kids) valia a pena assistir, então eu assisti por um tempo. Não foi por mais alguns meses até que eu descobri o canal 21 em abril, eu estava buscando nos canais pelo Pokémon. Eu pressionei o canal 21 no controle remoto, esperando haver mais canais, e para minha alegria lá estava. Meu pai ficou surpreso também, mas ele me deixa ver porque ele parecia ter programas infantis diante. O canal era chamado de Caledon Local 21 e depois eu descobri que ele estava de fato transmitido a partir da cidade de Caledon, Ontário, uma cidade muito perto de onde eu moro.

Os programas que assistia em Caledon Local 21 pareciam mal feitos, e, na metade do tempo, nunca entendia o que estava acontecendo. No entanto, eu cresci. E toda vez que lembrava os programas em que assistia, os achava ainda mais confusos e fui obrigado a me perguntar “Que diabos eu assistia?”. A seguir está uma lista de programas e episódios que me lembro de ver em Caledon Local 21, me perturba a forma como me lembro de tantos detalhes, mas acho que coisas como essas marcam a sua mente durante muito tempo. Havia apenas três programas que poderiam ser vistos no canal, provavelmente porque ele era transmitido apenas das 16:00 às 21:00.


Abril, 1999

Booby- Episódio 6: “Juntos”. Lembro-me que Booby era um programa onde os personagens eram apenas mãos em movimento, ao vivo. Simplesmente não havia fantoches ou qualquer outra coisa, apenas mãos. O programa contava a história de uma mão chamada Booby que se via em uma situação nova a cada episódio. Cada capítulo durava apenas cinco minutos, e parecia ser filmado diante de uma parede velha e úmida, com as mãos sempre em uma mesa envolta com uma toalha vermelha (orçamento muito baixo, obviamente). Este foi o primeiro episódio que assisti. Ele começava com Booby tentando tirar ketchup de uma garrafa. Na verdade, mostrou-lhe batendo no fundo da garrafa, durante uns três minutos. Finalmente, o outro lado da garrafa apareceu e olhou para Booby. “Juntos”, disse a parte de cima da garrafa, então Booby voltou a bater em seu fundo, até que um pouco de ketchup finalmente esguichou por toda a mesa (lembro-me de rir um pouco desta parte). Booby então olhou para a bagunça com o ketchup por alguns segundos, antes de se virar para a câmera, uma vez que a imagem se aproximava lentamente dele.

A Adega do Senhor Urso- Episódio 12: Nome muito superficial se você olhar hoje em dia. O programa contava com um cara vestindo uma fantasia de mascote urso que recebia um novo visitante em sua adega todos os dias (sempre eram crianças). O programa era filmado com uma câmera de vídeo não muito boa também. A polícia me perguntou bastante sobre esse programa. Este episódio começou com o Sr. Urso sentado numa mesa jogando damas sozinho (eu não reconheci no início, mas a mesa era a mesma de Booby). Ele ficou lá jogando um pouco até que houve uma batida na porta. A câmera foi então, mostrando os degraus até chegar à porta, onde havia outra batida. O Sr. Urso subiu as escadas e abriu a porta, lá estavam duas crianças. Um era menino e aparentava ter a minha idade, e a outra era uma menina que parecia ter cerca de oito anos. O Sr. Urso dançou de alegria com a chegada das crianças e em seguida, começou a conversar com eles; Pelo que me lembro, não era possível ouvir qualquer um deles. O Sr. Urso então levou as crianças para o porão, que era bastante escuro e iluminado apenas por uma pequena lâmpada a óleo sobre a mesa. Eu realmente não me lembro de muita coisa, a não ser ele cantando uma música da qual eu não conseguia ouvir muito bem também (provavelmente por causa da grande máscara de urso). O episódio terminava com eles brincando de esconde-esconde, com as crianças escondidas em um armário e o Sr. Urso na contagem.

Maio, 1999

Sopa e Colher: Eu não acho que isso realmente tenha sido um programa, acredito que tenha sido mais algo como um filme especial. Tudo o que sei é que tinha parado de assistir Caledon Local 21 por uns tempos, porque achei esse programa muito estúpido, além do mais, Pokémon havia mudado de horário e agora passara às 16:30 e 17:00. Eu não me lembro de muito, mas o programa mostrava uma lata de sopa e uma colher, ambos ligados a cordas, balançando para frente e para trás, como se alguém estivesse segurando-os e balançando-os na frente da câmera. Curiosamente, esse programa foi filmado em um porão semelhante ao usado na Adega do Senhor Urso. Como eu disse não me recordo muito, a única coisa que me lembro claramente era o fim. A coisa toda durou cerca de meia hora, e achei estúpidas algumas cenas inclusas, como por exemplo, a colher perseguindo a sopa por aí tentando “come-la”. No final, mostrou uma mesa (A de Booby mais uma vez) e cerca de sete crianças sentadas ao seu redor, cada uma com uma tigela de sopa em sua frente. Eles estavam sentados e olhando para a câmera, mas com confusos e quase assustados rostos. O homem da câmera em seguida, segurou a lata de sopa na frente das crianças e disse “Prontos para a soooooooooopa?” E então ele parou.

Julho, 1999

Era verão, e eu estava sem assistir ao canal 21 há algum bom tempo. Até que um dia, quando eu dormi na casa de um colega, decidi dar uma olhada novamente. Meu amigo havia ganhado uma TV para o seu quarto semelhante a minha em seu aniversário de seis anos, por isso, ficamos até muito tarde (para nós, 21:30 era muito tarde) assistindo TV. Foi quando me lembrei do canal 21e o mostrei para meu amigo. Decidimos ver se ele estava sendo transmitido, e para a nossa surpresa, ele estava (eles devem ter mudado o tempo de antena).

Adega do Senhor Urso – Episódio 23: Esse episódio foi divertido para eu e meu amigo, principalmente porque tinha palavrões. No entanto, agora quando me lembro desse capítulo, percebo que algo estava definitivamente errado quando ele foi filmado. O episódio começou com a câmera de lado, enquanto ficava de frente para o Sr. Urso, que estava indo até as escadas do porão. O câmera então aparece por cerca de um segundo, parado e de frente para o Sr. Urso, antes de desaparecer. Havia também outro garoto falando com ele, mas o menino aparentava ter seus 11 ou 12 anos.

Ele ficou conversando com o Sr. Urso por um tempo, mas eu não conseguia ouvir bem (mais uma vez com a câmera de vídeo de baixa qualidade) , até que o garoto começou a levantar o tom de voz . O menino dizia que já era tarde e que sua irmã deveria voltar para casa, é possível também ouvir algumas vozes no fundo. Lembro-me do Sr. Urso dizendo claramente “Sai fora, você não está convidado”, com uma voz profunda e abafada pela máscara. Recordo-me de meu amigo e eu olhando um para o outro com a menção de algumas “palavras proibidas”, mas o episódio ficou ainda mais estranho. O garoto começou a subir as escadas antes de se virar e dizer que iria chamar a polícia. Nesse momento, o Sr. Urso correu em direção ao garoto quebrando tudo o que via pela frente, que começou a gritar e correr também. A câmera em seguida, cortou para fora e esse foi o fim do episódio. O canal em seguida, entrou em estática.

Booby – Episódio 42: “Jogando com uma tesoura”: Era uma tarde chuvosa e eu estava entediado, então decidi assistir ao canal 21. Quando eu comecei a assistir, algum programa sobre um cara sentado em uma poltrona estava terminando. Quando assisti esse episódio pela primeira vez, pensei que era para adolescentes, pois continha sangue nele e foi extremamente bruto. Quando a polícia me disse tudo, eu entendi a quem pertencia aquele sangue. O capítulo mostrou Booby e outra mão com uma fita em torno do dedo mindinho (namorada de Booby). Booby estava segurando uma tesoura e saltitando para trás e para frente, enquanto sua namorada lentamente virava-se sem rumo.

Então outra mão entra em cena. Esta é menor e aparentemente foi empurrada de forma violenta, como se alguém debaixo da mesa tivesse forçado a mão a aparecer (e mais tarde descobri que esse realmente era o caso). “Tesouras são muito perigosas, criança; Por isso, devemos guarda-las em segurança”, disse Booby para a câmera. Notei que eu também conseguia ouvir gritos abafados, mas não tinha certeza de onde vinham devido a má qualidade do som.

A namorada de Booby então agarrou a mão menor que estava se debatendo e Booby foi até ela com a tesoura. Ele começou pelo polegar, abrindo a grande tesoura a pressionando-a contra o pequeno dedo, o sangue logo começou a escorrer e os gritos antes abafados, agora eram bem mais altos. Foi algo muito nojento para os meus cinco anos de idade e foi nesse momento que passei a achar que Booby talvez fosse um show destinado a adolescentes ou adultos. Em seguida, a tesoura alcançou um osso, e um barulho de trituração foi ouvido, foi ai que desliguei a TV. Eu nunca contei isso aos meus pais, porque temia que eles limitassem meu tempo de TV.

Agosto, 1999

Eu não quis mais assistir ao canal 21 depois daquele episódio de Booby. Em agosto, sem um motivo certo, fiquei curioso para ver Adega do Senhor Urso. O último episódio que tinha visto, o Sr. Urso estava estranho e tinha palavrões, o que também me fez pensar que era um show para adolescentes. No entanto, eu coloquei no canal 21 quando meu pai estava ocupado.

Adega do Senhor Urso – Episódio 28: Aparentemente este episódio se repetiu durante todo o mês de agosto. Esse capítulo foi muito estudado pela polícia mais tarde. O episódio foi apenas o Sr. Urso sentado em uma cadeira conversando com a plateia. “Olá crianças! Vocês querem visitar o meu porão? Se você quiser, por favor, me escreva uma carta neste endereço!” A tela então ficava branca e com letras multicoloridas que informavam um endereço, e isso era o que ficava durante todo o resto do episódio.

E adivinha o que eu realmente fiz? Enviei uma carta ao “Sr. Urso”, ou àquele bastardo doente que pedia as cartas. Eu fiz isso principalmente por curiosidade; Meu pai estava bem quanto a isso, pois ele pensava que era um programa legítimo para crianças, mas uma vez que nunca havia visto nada do que realmente passava no canal 21. Então eu escrevi uma carta usando a minha melhor escrita, e acredito que acabei por dizer como eu queria conhecer o Sr. Urso, e se Booby também viver na adega. Então, meu pai enviou a carta para o endereço que o Sr. Urso passou durante o programa (ele ficou passando durante o dia todo de qualquer maneira, por alguma razão).

Demorou cerca de uma semana para eu receber alguma resposta. Tenho até hoje a carta que recebi em 15 de agosto de 1999. A carta dizia:

“Querido Elliot, muito obrigado por sua carta. Eu adoraria ter você em minha adega! Nós iriamos jogar, ver filmes e fazer fogo durante um acampamento no meio da floresta!

E sim, Booby vive em minha adega; ele é um grande amigo meu!

Venha a minha casa em (A polícia cortou este endereço), Caledon, Ontário, CA.

Espero muito poder me divertir com você!

Com amor, Sr. Urso.”

Eu não posso acreditar que meu pai nunca tenha lido esta carta, porque ele realmente a levou para mim em casa. E, em seguida, é quando a polícia se envolveu, com perguntas intermináveis, fotos de crianças aterrorizadas, florestas...

Isso me leva a razão pelo qual estou escrevendo isso hoje, acho que meu psicológico e “seus amigos” tenham se abalado com aquela merda toda, e parece que agora ele está tentando “entrar em contato” comigo novamente, a coisa toda da polícia está voltando a minha mente. Isso trouxe 1999 de volta pra mim, mais de uma década mais tarde, isso está acontecendo mais uma vez.


[Atualização]- 21/09/2011

Muitas pessoas têm me enviado e-mail perguntando exatamente o que aconteceu em 1999, eu irei chegar nisso. Aqueles estranhos programas que eu assistia, aparentemente foram feitos para atrair crianças até a casa do Sr. Urso, o que depois, chocou toda a cidade.

Meu pai realmente me levou a Caledon juntamente com o endereço do Sr. Urso deixado na carta. A casa era realmente fora da cidade, em terras agrícolas. Ainda me lembro daquela casa. Parecia mais uma casa de fazenda velha, talvez construída no início de 1900. As janelas estavam todas fechadas com tábuas e a casa estava em estado de ruína. Enquanto caminhávamos até a casa, meu pai conferia o endereço uma ou outra vez, olhando para a casa com descrença. Então a porta se abriu.

Eu esperava que o Sr. Urso aparecesse na porta, mas fiquei surpreso ao ver um policial sair da porta que rangia. Logo o policial começou a conversar com meu pai, quando eu rapidamente perguntei se era a casa do Sr. Urso. O rosto do policial se franziu um pouco e ele murmurou algo como “Oh Deus...”, então ele voltou a falar com meu pai com um tom baixo para que eu não pudesse ouvir, mesmo assim, meu pai me mandou entrar no carro imediatamente. E então nós fomos para casa. Meu pai ficou quieto durante todo o trajeto. Senti que algo estranho havia acontecido.

Meu pai não tocou no assunto durante um longo período, de qualquer maneira, acabei também esquecendo o assunto. Quando falava sobre o canal 21, meu pai dizia não lembrar. Acho que tinha 13 anos quando finalmente descobri a verdade. Certo dia lembrei-me do canal e perguntei ao meu pai sobre isso. Ele então decidiu que já era hora de ouvir a verdade.

Caledon Local 21, é um canal de TV local, que funcionou entre outubro de 1997 e agosto de 1999 na Região Peel de Ontário. O canal inteiro foi feito a partir de uma casa em Caledon (A que visitei) e administrado por um homem realmente desconhecido na cidade. O canal estava apenas disponível para TVs mais antigas, porque o sinal era apenas captados por antenas (com frequências mais baixas). Um homem criou todos os shows no canal, todos os shows infantis. Sua mão era o Booby, Ele era Sr. Urso, e ele era o misterioso cinegrafista. A verdadeira razão pela qual ele criou o canal era mais preocupante do que se pensava. Como você já deve ter adivinhado, ele sequestrou as crianças e as tinha em sua adega. Mas, enquanto a maioria das pessoas acha que ele era uma serial killer molestador de crianças, na verdade ele queria usar as crianças para outra finalidade. No dia em que eu cheguei, o homem havia fugido da sua casa na noite anterior, no dia anterior, a polícia começou a investigação, e eles falaram para o meu pai que eu não era a unica criança que estava assistindo.


[Atualização]- 09/11/11

Desculpem por não ter respondido quaisquer perguntas por tanto tempo, estou sem acesso a minha conta de e-mail há algum tempo. De qualquer forma, deixe-me finalmente esclarecer as coisas com o que eu sei. Em outubro, visitei a casa anteriormente pertencente ao homem do Caledon Local 21. Duas mulheres moraram lá, operando uma creche... que ironia, não? Agora, para responder às perguntas que me enviaram por e-mail:

P.: Quem mais assistiu ao Caledon Local 21?

R.: Eu sei que mais pessoas assistiram, incluindo crianças que foram dissolvidas na casa do Sr.Urso. Depois de algumas pesquisas no Google, encontrei algumas pessoas no fórum NeoSeeker que discutiam sobre os programas de Caledon Local 21. Eles comentavam sobre as crianças que apareceram nos episódios que assisti, mas também falavam sobre dois outros programas que eu nunca havia visto antes. Um usuário chamado “Iamreallife” parecia saber todos os shows que foram transmitidos pelo canal 21; E aqui estão os dois que eu nunca ouvi falar:

O Anjo Caído E Vida – Iamreallife descreveu-o como um programa bastante chato, sobre um homem que caminhava de forma divagar em frente à câmera falando sobre como devemos agradar a satanás e apaziguá-lo antes que seja tarde.

Pinte com a Alma - Iamreallife e outro usuário chamado sigy92 estavam discutindo sobre esse show. Ambos descreveram que era algo como “Bruxa de Blair”, com um cinegrafista vagando numa floresta durante a noite, sem fazer nada de interessante.

Vou procurar a conversa e ver se consigo postar o link.

P.: Onde está o Sr. Urso, ou o cara que usava o traje?

R.: Se eu soubesse, teria dito mais cedo. Eu não tenho nenhuma ideia de onde está, quem é, ou se o cara está vivo ou morto (espero que morto). Da próxima vez que ver o amigo do meu pai irei perguntar a ele isso. Talvez eu consiga obter algum tipo de resposta.

P.: O que o Sr. Urso fazia com as crianças?

R.: Essa é sem dúvidas a pergunta mais comum que me fizeram. Descobri isso em outubro, através de um amigo do meu pai, que é um oficial regional de Caledon aposentado. Aparentemente, o homem trajado de Sr. Urso levou as crianças para fora de casa e para a floresta próxima. O que ele fez lá, a polícia não sabe exatamente, mas 16 corpos carbonizados de crianças com idade de 4 a 13 anos foram encontrados em uma vala de 15 x 15 metros de profundidade no interior da floresta. O amigo do meu pai não quis me dar maiores detalhes, mas irei encontra-lo na próxima quinta-feira, então talvez eu consiga mais algumas informações dele.

Isso é tudo o que tenho por agora. Obrigada por manter um interesse no meu blog, vou tentar reunir o máximo de informações que eu puder para meu próximo post. Eu tenho realmente ficado muito interessado neste meu eu. Deve ser o meu direito de saber o que realmente aconteceu.



[Atualização]- 01/02/2012

Desculpem-me por não ter postado nada durante um tempo, eu meio que perdi o interesse no blog desde que o foco se tornou procurar mais informações sobre o proprietário do Caledon Local 21. No entanto, há algumas semanas, eu encontrei uma mina de ouro! Consegui algumas respostas surpreendentes com o pai de uma criança que eu costumava tomar conta. Atualmente ele mora do outro lado da minha rua e está sem emprego. Mas antes, morava perto da floresta de Caledon, e presenciou algumas atividades do proprietário dentro da mata. Seu nome é Anthonny Pollo.

Quando ele morava em um pequeno sobrado fora do bosque, Pollo gostava de fumar um ou dois cigarros de maconha antes de voltar ao seu trabalho como artesão de madeira. Anthonny contou que às vezes ouvia vozes de crianças vindas de dentro da floresta, junto com uma luz brilhante ao longe. O homem me contou que esses eventos começaram no final de 1997 (nota: Este é mais ou menos o mesmo período em que o canal 21 passou a ser exibido). Ele aparentemente ficou aborrecido por presenciar esses eventos de vez em quando e, na verdade, acabou indo investigar.

Pollo, em seguida, descreveu que todos olharam para ele quando se aproximou. Havia um grupo de crianças (Ele disse que era cerca de 13-17) e as idades variando de 5 – 12 anos reunidos em torno de uma grande fogueira. Com eles havia apenas um único adulto. Pollo conversou com o homem (Observando sua aparência desleixada incomum de um viciado em crack, bem como seus espasmos constantes) e perguntou o que ele estava fazendo na floresta com as crianças. O homem apenas disse que estavam em um acampamento, coisa que costumavam fazer frequentemente. Pollo, sem suspeitar de nada (Caledon tem um dos menores índices de taxa de criminalidade do Canadá) simplesmente deixou por isso mesmo e pediu-lhes para serem mais silenciosos. Anthonny então parou por um tempo, antes de me dizer calmamente que, na verdade, às vezes ele ouvia as crianças cantarem alto em uma outra língua desconhecida. Ele não se incomodou mais com isso.

Eu disse a Pollo que o homem que ele viu, provavelmente seria o dono do Caledon Local 21, mas ele duvidou, pois disse que o homem estava se mudando para Pickering junto com diversos outros moradores da região.

Aqui está o que sei agora:

• O homem levava as crianças regularmente para um “acampamento”.
• A fogueira descrita por Pollo pode ser o buraco onde os corpos das crianças foram encontrados.
• As crianças vistas por Pollo provavelmente são as que foram encontradas mortas.
• O homem mudou-se para uma cidade chamada Pickering (Pequena cidade a leste de Toronto).

Irei discutir esses pontos com o amigo do meu pai (o ex-policial) e ver se isso corresponde a qualquer coisa que a polícia saiba sobre o homem. Eu também quero ver se ele ter o conhecimento do que mais foi ao ar transmitido pelo canal 21.

[Atualização] - 20/03/2012

Ótimas noticias pessoal! Eu falei com o amigo do meu pai e ele passou uma série de informações para mim. Primeiramente, perguntei se a polícia tinha qualquer informação sobre o homem do canal 21, ele respondeu que eles tiveram apenas as mesmas pistas por anos e nunca conseguiram encontrar um suspeito. No entanto, a polícia local de Peel tinha algumas fitas encontradas na casa de Caledon, e ele me levou para que pudesse assistir a algumas. Acho que não contei muito sobre ele ainda, o nome do amigo do meu pai é Mitchell Wilson, um cara muito legal, ele parece entender a minha sede de conhecimento sobre o que aconteceu durante o final dos anos 90 naquela casa. Ele achava errado o fato do meu pai ter me escondido a verdade durante muito tempo.

Mitchell me levou para a delegacia da estrada Davis (Se você não sabe, é a maior estação de Caledon, e uma das maiores da região de Peel). Cada uma das delegacias ao redor de Peel tem algumas das fitas, e a da estrada Davis tem 3. Cheguei a assistir a todas elas. Mas infelizmente, por razões óbvias, eu não fui autorizado a leva-las para casa.

Booby – Episódio 2: “Os amigos são como flores”: Este foi um dos primeiros episódios de Booby. A qualidade da câmera era ainda pior do que o habitual (provavelmente uma câmera ainda mais antiga), mas a cena foi feita no mesmo local onde as cenas de Booby se passavam. Reconheci-o imediatamente. O capitulo começou com Booby balançando para frente e para trás por alguns segundos até que outra mão entrou em cena. A outra mão era bem menor, aparentando ser de uma criança.

A pequena mão começou a saltar em direção a Booby, trazendo os dedos juntos para “beijar” Booby. Depois de alguns segundos, Booby agarrou a pequena mão e aperto-a com força. Isso continuou por uns dez segundos até que a câmera começou a deslocar-se para a esquerda até que as mãos ficassem fora de vista. A câmera continuou movendo-se até mostrar uma margarida murcha, deitada por si só. A câmera então foi aproximando-se lentamente da flor, até que a voz de uma menina tornou-se audível dizendo que “Os amigos são como flores no jardim da vida”. O episódio terminou assim.

Pinte com a Alma – Episódio 10: “Lixo jogado fora”: Este programa foi um dos discutidos por iamrealife e sigy92 no Neoseeker. Eu contei sobre isso para a polícia e eles me informaram que 12 episódios da série foram feitos e transmitidos entre 05 de dezembro de 1997 e 08 de janeiro de 1998.

Exatamente como iamrealife e sigy92 descreveram, o episódio começou com o câmera andando ao redor de uma floresta. Parecia ser o inicio da noite, quando o sol está se pondo. O homem da câmera segue por um caminho até chegar a uma área onde havia um grande monte de lixo e de folhas.

A câmera mostrou diversas embalagens ao redor, sacos, caixas e garrafas, certificando-se de que cada item ficasse por alguns segundos na tela. A câmera então se concentrou em um único local antes que o homem falasse. Eu lembro que o homem falou com uma voz tranquila, muito tímida, e juro que já ouvi isso em outros lugares antes no canal 21. Eu mal podia ouvir o que o homem dizia, mas ele falava coisas sobre como o ser humano é um lixo, ou algo que tinha haver com salvar nós mesmo de nossos próprios lixos. Isso realmente parecia estúpido, mas ainda assim um sentimento de pavor tomou conta de mim. Afinal, aquela poderia ser a floresta onde os corpos foram encontrados, certo?

Adega do Senhor Urso – Episódio 25: Quando o policial trouxe essa fita, eu realmente soltei algo como “Ohhhh merda...”, e ri um pouco alto. É claro que nesse momento atraí os olhares de toda a equipe, mas Wilson explicou a eles rapidamente a minha experiência com o “Sr. Urso” e que eu ainda tinha a carta que ele me enviou. E como nos capítulos anteriores, este conta com um homem vestindo trajes de urso.

O episódio começou com o Sr. Urso cambaleando até uma mesa envolta de uma toalha vermelha, com uma garrafa de suco de laranja em suas mãos (ou patas?). Em cima da mesa havia 16 pequenos copos, junto com uma garrafa menor contendo um liquido desconhecido. Então o Sr. Urso serviu todos os copos com uma quantidade igual de suco de laranja, antes de abrir a pequena garrafa e colocar uma gota do líquido em cada copo. Em seguida, o Sr. Urso saí da visão da câmera, havia alguns sons menores de fundo, e logo, o Sr. Urso volta por trás da câmera.
Após isso, aparecem 16 crianças seguindo o Sr. Urso, algumas sendo extremamente pequenas, beirando seus quatro anos e outro que pareciam já ser praticamente adolescentes. À medida que as crianças entravam, o policial me falou que este foi o único episódio em que mostrou todas as 16 vitimas.

As crianças aparentavam estar tranquilas, exceto um garoto que tinha alguns hematomas visíveis no rosto, e ao contrário das outras crianças, ele tinha uma certa expressão de medo. Ele beirava seus 11-12 anos, o que me levou a reconhecê-lo. Era o garoto que tinha perguntado sobre a irmã naquele episódio que eu assisti no mês de julho de 1999. Ele infelizmente encontrou um destino desconhecido no final do episódio 23.

Quando comentei sobre isso com o policial, ele confirmou que era o mesmo garoto. Ele também foi destaque no episódio 24 (Um episódio que foi ao ar somente uma vez às 15:00 em julho de 1999. A policia ainda não encontrou a fita com este capitulo). Sr. Urso, em seguida, começou a cantar uma música sobre as frutas cítricas e como a vitamina C é boa para nós (Eu mal conseguia entender a letra, já que o som era bastante abafado devido a máscara de urso). As crianças todas então tomaram seus sucos, exceto o menino do outro episódio, que o fez de forma bem relutante. E então o programa terminou.

Depois de assistir as 3 fitas da delegacia de Davis, eu estava satisfeito, mas apenas temporariamente. Eu ainda queria saber a história completa, mas a polícia insistia em me passar sempre a mesma porcaria sobre o criador do Caledon Local 21, que ele era um pedófilo fetichista. Irei tentar algumas coisas agora, para tentar obter informações mais tarde. Espero poder voltar com o blog o mais rápido possível.


[Atualização] – 12/05/12

Em 17 de abril, eu finalmente consegui minha licença G2 (Em Ontário, Canadá, esta licença lhe permite conduzir carro sozinho ou com alguns passageiros após 6 meses). Eu, claro, aproveitei disso e fui para Caledon para um “passeio de domingo”. Desde a minha última atualização no blog, percebi que eu poderia muito bem visitar a casa onde o maldito infame da minha infância foi localizado. A casa parecia diferente de quando eu vi pela última vez em outubro. O lugar não era mais usado como creche, e apenas estava lá abandonado. No entanto, tinha uma placa de “Vende-se”, mostrando que alguém ainda possuía o local e estava querendo livrar-se dele.

A casa abandonada trouxe a tona diversas lembranças em minha mente; principalmente daquele dia em que meu pai me levou para ver o Sr. Urso. Um sentimento de medo se apoderou de mim, o que aconteceu com aquelas crianças enquanto viveram naquela casa? Subi os degraus em direção à porta da frente e olhei pela janela. Dentro da casa, eu podia ver apenas um corredor quase vazio com algumas caixas no final.

No final do corredor à direita, havia uma porta aberta, que acredito que levava para a cozinha. À esquerda havia duas portas, ambas aparentemente levando para as salas visíveis através das janelas externas. Eu me perguntava onde ficava a entrada para a adega, se ela havia sido localizada ou selada. Andando ao redor da casa, pude encontrar a minha resposta. Duas portas de madeira deitadas de uma forma quase plana estavam fechadas com cadeado, isso tinha que levar para o porão. Não querendo mais ficar ali (Você deve imaginar o que se passava pela minha cabeça nesse momento, não é?) parti.

Atrás da casa, o campo vazio continuava até chegar a uma densa floresta. Gostaria de saber se era a mesma floresta onde os corpos das crianças foram encontrados. Pensei comigo mesmo “Ah, dane-se”, e comecei a andar pelo campo, indo em direção à floresta. A mata era estranhamente calma, tirando uns sons periódicos distantes de madeira sendo perfurada por algum pica-pau. Eu cautelosamente fiz meu caminho indo em direção ao fundo da floresta. Sinceramente? Eu não pensei no fato de que eu não tinha ideia de pra onde estava indo. Não sei explicar ao certo, mas parecia que havia algo que eu precisava encontrar lá. Cheguei a uma parte mais fina do bosque e avistei algumas casas ao longe. A casa de Pollo me passou pela cabeça, e eu me perguntava se alguma daquelas era a dele. Aproximei-me de uma pequena clareira e pude ver três troncos grandes reunidos ao redor de uma área preta e carbonizada (mostrando que tinha acontecido um pequeno incêndio ali recentemente).

“HEY, CAIA FORA DE NOSSAS TERRAS!” Essas palavras quase me fizeram ter um ataque cardíaco. Virei-me para a minha esquerda e vi duas pessoas vestidas com roupas escuras correrem em minha direção. Minha reação inicial foi a de também correr, porém, quando eles chegaram mais perto, vi que eram apenas crianças na adolescência precoce, possivelmente com 13 ou 14, talvez até 12 anos. À medida que se aproximaram, eles perceberam minha altura. Meço 1,85, enquanto o maior deles aparentava ter no máximo seus 1,75 (enquanto o outro, não passava de 1,70). “Nós dissemos... Dê o fora!” disse-me sem entusiasmo o menino maior, que vestia uma camiseta do Slipknot. Mantive minha postura e dei de ombros. O menor, que vestia uma camiseta do Metallica, apontou uma faca em minha direção. “Não, você não iria querer...” eu disse em um tom profundo e sério (tentando ser o mais durão possível). Peguei meu celular.

As duas crianças se afastaram, a do camisa do Metallica guardou a faca, enquanto o da camiseta do Slipknot, obviamente intimidado, falou “Olha cara... Nós não gostamos de pessoas em nossas terras. Será que você pode sair?” Como eu não havia encontrado nada na floresta, apenas soltei um “Tudo bem...”, e quando me virava pra sair, percebi que poderia ter ali uma grande oportunidade de ter respostas. “Algum de vocês ouviu falar de um cara que matou um monte de crianças nessa floresta há mais ou menos... treze anos?” perguntei às crianças. Os dois se entreolharam meio confusos antes do menino com a blusa do Metallica me responder em um tom quase que estúpido “Sim... Todo mundo sabe sobre esse cara”. O garoto com a camiseta do Slipknot continuou “Ele ainda vive por aqui, no bueiro... um amigo do meu irmão mais velho disse que uma vez o viu vagando pela floresta à noite com a fantasia de urso”.

Meus instintos me disseram que aquilo provavelmente era mentira, e o proprietário do Caledon Local 21, estava provavelmente, muito longe, existindo apenas como folclore nesta pequena e isolada comunidade. No entanto, como em todo o ser humano, o pensamento do desconhecido e misterioso desperta interesse. “E onde é esse bueiro?” perguntei (Só por curiosidade, eu realmente não acreditava na história do garoto). O menino com a camisa do Metallica olhou para mim durante alguns segundos, os olhos passavam incomodo, mas ao mesmo tempo, curiosidade para comigo. “Você não é daqui, né? Por que raios continuas vindo aqui?”. Neste momento, eu admito que fiquei com um pouco de medo devido a natureza da sua pergunta. No entanto eu percebi que eu poderia muito bem explicar por que eu estava lá. Eu contei aos garotos a minha experiência com o homem e Caledon Local 21, e que tinha voltado lá para buscar talvez algum tipo de encerramento para aquele assunto (embora eu realmente não tivesse certeza do que queria).

As crianças pareciam familiarizadas com o canal e ambas sorriram e se olharam quando eu mencionei isso. Eles também se tornaram mais compreensivos e me deram uma descrição detalhada de como chegar ao bueiro. Logo depois disso, decidi a apenas me vira com o que consegui sozinho. Nesse momento, você deve estar se perguntando por que eu deixei de fora as informações de as crianças me passaram? É que eu escolhi concluir isso com tudo o que já tenho até agora.

Aqui está o que as crianças me contaram com detalhes

• O bueiro fica à frente de uma pequena construção, seguindo a mesma direção em que eu estava indo.
• A drenagem de água termina em um pequeno rio próximo
• Perto dali tem um parque infantil (Os garotos falaram que as pessoas raramente o usam)
• O homem supostamente mora num grande cano que drena a água da chuva. As pessoas tem-lo visto, embora sempre usando apenas a máscara de urso, ou o traje completo. (Nota: Não acredito muito que isso seja verdade, mas que seja de fato, só mais um mito criado pelos moradores de Caledon. A história não me parece nada plausível. Afinal, por que ninguém chama a policia já que existe esse cara suspeito? São coisas como essa e outras que deixam a história inválida).
• Eu irei visitar o bueiro. Não por acreditar na história, mas sim porque preciso de mais um motivo para visitar Caledon, de modo a não deixar esse blog morrer. (Sem novas fitas para assistir, eu não tenho mais sobre o que falar!).

Obrigada a todos por continuarem a me apoiar e a apoiar o meu blog. Sei que muitos estão curiosos para obter mais informações sobre o que realmente aconteceu em Caledon em 1999, eu farei o meu melhor para continuar minha pesquisa sobre o assunto.

Elliot.


[Atualização] – 04/10/2012

Uau! Quase cinco meses desde o meu ultimo post. Acredito que muita gente tenha achado que eu estava morto, certo? Pois bem, felizmente não estou! Mas andei muito ocupado nestes últimos meses. E um blog sobre algo que poderia ter me matado no passado, está bem no final da minha lista de prioridades. Agora eu estou morando em Waterloo, Ontário e frequentando a Universidade de Warteloo, cursando engenharia da computação. Como se pode imaginar, engenharia não é como um passeio no parque, então obviamente, eu quase me esqueci do blog. Mas como podem ver agora, eu estou de volta.

Lembrei-me de visitar o bueiro que os garotos da floresta de Caledon me falaram. Era em uma clareira entre as áreas arborizadas, perto de um pântano. Infelizmente, não achei absolutamente nada; a não ser uma tartaruga que entrou em seu casco a me ver. Tirei algumas fotos do cano que logo postarei também. Além disso, vale ressaltar que NÃO era um bueiro como os meninos haviam falado que era.

O que vi foi simplesmente um cano simples, possivelmente para canalizar a água do pântano. Quando voltei de Caledon, simplesmente quase me esqueci do meu blog. Depois disso, ele simplesmente parecia não ter mais importância (por favor, perdoem-me). Foi só recentemente, que aconteceu algo que me deixou interessado pelo meu caso novamente. Em 10 de setembro recebi um e-mail enviado por: returntheb@hotmail.com.

Engraçado, né? Bem, fica melhor. Vou copiar e colar o e-mail exatamente esse cara me enviou:

“Querido Elliot,

Meu querido, meu querido menino,

Eu senti tanto a sua falta, oh, como você cresceu! Seus olhos brilhantes continuam os mesmos, porém, agora eles procuram por aventuras, e como imaginá-los traz calor ao coração do velho urso. Aquele dia que você veio me visitar eu me senti tão feliz que eu queria sair e pegar morangos. Ele me disse que você viria à procura! Ah, sim, ele me disse que você viria à procura!

Agora, prometo que em breve você não se sentirá mais sozinho! Eu me sinto sempre tão triste por não poder ter dito Olá quando você veio me visitar, não somente uma, mas duas vezes... Mas calma... Logo você finalmente poderá começar a brincar com as outras crianças. Vou tentar deixar a minha adega ainda mais aconchegante do que antes!

100 abraços carinhosos,

Sr. Urso.”

Obviamente essa mensagem é falsa. Mas ainda assim, gostaria de agradecer a pessoa que me enviou. Esse cara me assustou, mas por causa disso, agora estou cheio de novos interesses pelo meu caso e vontade de continuar o blog. Eu acho apenas engraçado ficar insistindo em mistérios que sempre são questionados. Agora, o meu companheiro de quarto sabe sobre tudo isso. Ele achou que o e-mail fosse real, e ele realmente ficou mais assustado do que eu por alguns segundos. Mas então eu não dei bola e ele também o fez. Quero dizer, quais são as chances de isso ser real? Como o “Sr. Urso” ficou sabendo que fui para Caledon nessas ocasiões? Pelo menos agora “ele” sabe o meu e-mail e que continuo interessado em sua adega. Haha.

Vou enviar uma resposta ao "returntheb". Nossa, só de olhar para esse endereço de e-mail, você pode imaginar que alguém realmente queria me assustar. Não deu muito certo, porém, embora quem quer que seja, muito obrigado por ter acendido meu interesse de voltar para minha pesquisa. Talvez agora eu consiga descobrir mais sobre o que aconteceu com o “Sr. Urso”. Embora uma parte de mim não acredite neste e-mail, outra parte se mantém ansiosa.

Obrigado a todos aqueles que ainda me acompanham e tornaram-se meu fãs assíduos, vocês também são um motivo pelo qual decidi continuar isso aqui!

Obrigado galera!



[Atualização] - 09/11/2013

Nossa! Eu não posso acreditar que esse blog ainda não foi excluído! Não tenho postado nada por tanto tempo! Eu tenho meus motivos para isso e prefiro não os expor por enquanto, já que esse ano tem sido um tanto quanto... Traumático para mim. Alguns de vocês estavam certos, talvez eu não devesse ter tentado reviver os mistérios da minha infância, mas eu não consegui resistir. Esse ano tem sido muito conturbado e muitas coisas aconteceram desde o meu último post. Vou listar o que temos agora em relação ao incidente com o “Sr. Urso”.

• Returntheb@hotmail.com não está mais em uso. Tentei responder o e-mail e não obtive resposta. Tentei novamente em março e até agora nada.
• Eu peguei transferência para a Universidade de Ottawa (capital do Canadá pra quem não sabe), então nunca mais fui para Caledon ou para a minha casa na região de Peel. Eu tive minhas razões para sair e vocês devem imaginar o motivo.
• Fui obrigado a criar outra conta de e-mail. Muitas pessoas continuam me mandando mensagens fingindo ser o “Sr. Urso”. Muito obrigado, caras (não);
• Por que eu resolvi voltar para esse blog? Mitchell Wilson (lembram-se do ex-policial amigo do meu pai?) me telefonou em 23 de outubro e me contou sobre mais uma fita encontrada em uma filial da biblioteca pública de Brampton. Ele afirma que não é permitido discutir o conteúdo da fita comigo, pois a mesma ainda está em evidência, mas ele pediu para eu ir dar uma olhada quando fosse para casa. Essa fita pode servir como engrenagem pra eu voltar com a minha pesquisa, afinal, todos nós sabemos sobre o que foram as últimas fitas que vi. Eu consigo imaginar o que deve ser, provavelmente tem algo a ver com Caledon Local 21.

Acho que só gostaria de dizer que estou voltando para o blog e obrigado a todos que continuam me seguindo. Eu ainda não sei quando conseguirei postar de novo, mas prometo que assim que ver as fitas, irei postar sobre elas. Eu não sei o que esperar, mas a ideia de ver outra fita tem me deixado interessado novamente pelo assunto.

- Elliot.


[Atualização] – 16/01/2014

Este tem sido um longo ano para mim. A faculdade tem me presenteado com algumas noites sem dormir, especialmente depois que fui transferido para Ottawa, onde é um ótimo lugar para se divertir (sarcasmo). Mas agora eu estou novamente com meu pai em Brampton, cidade onde cresci. Cheguei aqui no dia 18 de dezembro e fui visitar alguns amigos e família, já que os feriados que eu costumava ter nesta época do ano ficaram ausentes devido a tanto estudo.

Para responder as centenas de e-mails e comentários que recebi: Sim, eu vi as fitas que o amigo do meu pai (Mitchell Wilson) havia prometido me mostrar. Estas fitas, no entanto, agiram como uma maldição; Agora eu quero saber mais, mas ao mesmo tempo, quero esquecer tudo. Mesmo “sem querer”, eu precisava ver as fitas. Não só por mim, mas por todos vocês que também estão intrigados com o caso do homem vestindo uma roupa sinistra de urso que assombrou o meu passado. Porém, depois de ver as tais fitas, eu posso sentir um poço de medo dentro de mim outra vez. É um sentimento estranho por saber que todas as crianças do vídeo estão mortas, e que eu poderia ter sido uma daquelas crianças... É triste ver como o ser humano pode ser muito, muito mau... Enfim, agora vamos ao que interessa. Obrigado por ouvirem meu desabafo.

Na quarta-feira, 1° de janeiro, liguei para Mitchell Wilson para ver se eu poderia ir até ele ver as fitas. As coisas estavam tranquilas no posto onde ele estava devido a uma tempestade de neve, então ele disse que eu poderia ir a qualquer hora do dia. As fitas estavam em um posto próximo de onde eu estava. Então segui até a delegacia regional de Peel, localizada bem no centro da cidade, enfrentando muita neve, estradas lamacentas e os terríveis motoristas de Brampton.

Encontrei Wilson e fomos até o hotel onde ele estava hospedado. Então, ele levou-me até o segundo andar para um pequeno escritório. Ele me pediu para que sentasse e o esperasse enquanto pegava as fitas. Antes de sair do pequeno escritório, ele se virou para mim dizendo “Elliot, sei que estás curioso, mas... tens certeza que queres fazer isso?”. Respondi que sim, ou que pelo menos, achava que sim. Além de amigo, Wilson me ajudou muito a chegar até aqui e eu não poderia perder a oportunidade de saber mais.

Wilson então me entregou quatro fitas, mas fui autorizado a assistir somente três delas, porque aparentemente a quarta fita havia sido muito danificada para rodar em um simples videocassete.

Pinte com a Alma – Episódio 3:”Como tirar o pó do quarto”: Eu quase nem lembrava deste programa, já que nunca o vi na TV, mas vi um capitulo na delegacia de Caledon. O episódio começou com a câmera mostrando uma pequena sala vazia. Havia uma janela na parede oposta à porta, do lado de fora, a luz estava apagada. O cinegrafista caminhou em direção à janela revelando uma pequena clareira antes de uma densa e escura floresta a mais ou menos 15 metros da janela. O cameraman aproximou-se da porta e finalmente falou: “H-hoje vou m-mostrar a v-v-vocês como se t-t-tira o p-pó corretamente de um q-q-q-quarto”. Eu reconheci a voz do cinegrafista como o mesmo de antes: Calmo, tímido, só que dessa vez, com uma gagueira clara.

A partir desse momento é que as coisas começam a ficar estranhas. O cinegrafista aponta a câmera para seus pés, mostrando um cabo de vassoura de metal. Ele o pega com a mão que estava livre. Sua pele era branca e com isso, ficou mais fácil de ver o sangue fresco e brilhante que o cobria. O homem então explicou que para obter-se um quarto limpo e arrumado, é preciso fazer alguns sacrifícios. E com isso, o homem começou a quebrar o teto branco e rebocado com o cabo da vassoura. Logo, havia um grande buraco no teto que mostrava as ripas de madeira que compunham o telhado. O chão agora estava bem sujo com pedaços do teto e espalhados pelo chão, junto com partes do revestimento de gesso do teto. O cinegrafista então aponta a câmera para o chão e começa a quebrar os pedaços maiores que estavam no chão com seus pés. Logo depois, ele caminha em direção à porta e mostra a bagunça que ele havia criado. “A-a-agora o quarto e-e-e-está...” e o episódio termina antes que ele pudesse acabar.

Wilson me disse que as outras duas fitas eram mais perturbadoras. Mas eu insisti para continuar vendo, embora uma parte de mim me dissesse que eu não deveria.

Booby – Episódio 30: “Filho da Luz”: Booby foi de fato um dos programas que eu assisti quando criança. Eu nunca tinha visto este episódio antes e agora gostaria que ainda fosse verdade. O capitulo começou como todos os outros que eu já tinha visto. A única mão adulta (Booby) estava balançando para trás e para frente. Depois de alguns segundos Booby virou para a câmera e disse: “Canções são boas, mas melhor ainda quando cantadas por crianças!”. A mão, em seguida, desapareceu por baixo da mesa.

Depois de mais alguns segundos, imagem é cortada e volta mostrando uma fogueira em um pequeno buraco. Era noite e Booby aparecia perto de uma clareira em uma floresta, embora fosse difícil distinguir algo devido à má qualidade da câmera. A imagem então se aproxima do fogo que queimava com bastante força. De repente, uma mão humana foi forçada a entrar no fogo por um par de mãos adultas. A mão era pequena, provavelmente de uma criança, e estava sendo mantida firmemente no lugar pelas mãos maiores. O áudio ficou ausente por alguns segundos até que uma música começou a tocar. Logo reconheci a canção que cantava em minha infância, sempre tocava na minha escola ou na igreja (eu estudei em uma escola católica no primário). Se você não sabe qual é, aqui está um link para um vídeo no YouTube com a música: Children of the Light (Filho da luz). [http://www.youtube.com/watch?v=bHXuAOVp8Ks]

A música continuou a tocar com a pequena mão no meio do fogo alaranjado. Era visível que ela lutava para escapar do aperto da mão maior. Aos poucos, a carne da mão menor foi ficando mais vermelha e começou a descascar. Muita fumaça escura começou a sair a partir da pequena mão. Deve ter levado apenas alguns minutos para que um dos lados da mãozinha ficasse completamente enegrecido, exceto por poucas partes de ossos brancos visíveis sob a carne queimada. Porra... Essa imagem ficou gravada em minha mente. Agora, a mão ficou mole e parecia não se mexer mais. O episódio terminou nesse momento.

A Adega do Senhor Urso – Episódio 30: O Sr. Urso nunca deixou de me perturbar, principalmente depois do que aconteceu quando eu era mais novo. Este episódio se passou na rua, em uma floresta, ao entardecer, o que o torna um pouco mais difícil de ver, levando em consideração a qualidade do vídeo (Como qualquer coisa de Caledon local 21). O capitulo começou com o Sr. Urso filmando suas próprias “patas”.

Essa mascara de urso... Me parecia tão mais assustadora agora nas sombras das árvores. A inconfundível voz abafada falou ; "Olá crianças ! Hoje eu vou estar fazendo uma coisa maravilhosa para os meus amigos , vou estar levando-os para uma terra distante , onde certamente serão felizes!”. O Sr. Urso então mostrou com a câmera tudo ao redor até chegar a um ATV trailer atrelado, mas o que mais se destacou foi que no trailer continha sete crianças imóveis e deitadas lado a lado. “I-isso aqui é a primeira carga, mas tem muito mais a caminho!” O Sr. Urso então virou-se e mostrou com a câmera uma grande lona esticada no chão. Ele puxou a lona e mostrou um grande buraco que deveria ter mais ou menos uns 12 metros de profundidade e talvez, cerca de 15 metros de largura. O restante do episódio consistia no Sr. Urso pegando cada criança e jogando-as dentro do buraco. Perguntei ao Wilson se as crianças já estavam mortas, ele balançou a cabeça e disse “Ainda não...”. Em pouco tempo, todas as crianças já estavam dentro do buraco, algumas estavam em posições incomodas, mas mantinham-se imóveis devido ao estado de inconsciência. “A vitamina C certamente irá ajudar essas crianças na grande jornada que as espera!” Então, o Sr. Urso direcionou a câmera para várias garrafas de gasolina que estavam próximas a um arbusto. A câmera deu zoom nas garrafas enquanto o Sr. Urso cantarolava antes do episódio terminar.

Mitchell contou-me que estas eram apenas 7 das 16 vitimas encontradas queimadas dentro da cova. A gasolina era o que o Sr. Urso usava para “deixa-las iluminadas” com fogo. Um buraco cheio de crianças queimadas... Quem diabos faria isso? Um sentimento de pavor tomou conta de mim, quando percebi que eu poderia ter sido uma daquelas crianças...

Então, Wilson revelou-me que havia mentindo e que a quarta fita que pertencia a policia de Bramalea, de fato, não estava danificada, mas nela, continha as filmagens do incêndio real. No entanto, ele sentia que eu não estava pronto pra lidar com a natureza “Perturbadora e real” do episódio. E sabem de uma coisa? Eu realmente acho que não estou pronto pra isso. Eu não quero vê-lo. Eu estou satisfeito com o que vi e descobri por enquanto. Mas agora, só preciso de um tempo para me recompor. A coisa, quer dizer, o homem que dirigia Caledon Local 21 ainda está lá fora...

Mais coisas estão por vir...

- Elliot.

Tradução: Rodrigo Soro (BBClicke), Paulo Guimarães, Terror Obscuro, Medo B.
Demorou pra traduzir galera! Tanto que a gente nem deu conta e pegamos uma parte de outros blogs.. 
Espero que gostem! 

Arquivo do blog